Recursos do Sistema S

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Justiça suspende cortes de recursos do Sistema S, atendendo ação proposta pelo Serviço Social do Comércio (Sesc) e pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac). A decisão foi do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1).

Os cortes haviam sido estabelecidos pelo governo federal por meio da Medida Provisória nº932/2020. A redução havia reduzido em 50% as contribuições aos serviços sociais autônomos.

Desvio de finalidade

A decisão foi proferida pela desembargadora Ângela Maria Catão Alves, do TRF-1, no Distrito Federal. Em seu despacho ela destacou que houve desvio de finalidade dos recursos por meio da MP.

No entendimento da magistrada, as contribuições incidem sobre a folha de pagamento das empresas que compõem o “Sistema S”. Dessa maneira, pode comprometer a oferta e a manutenção das atividades de aperfeiçoamento profissional, saúde, lazer dos trabalhadores.

“Essas atividades constituem a própria razão de existir e finalidade dessas instituições, ressalte-se, com amparo constitucional”, escreveu a desembargadora, de acordo com matéria veiculada pelo jornal Correio Braziliense.

Segundo ela, desonerar a folha de pagamento dessas empresas torna as entidades do Sistema “S” vulneráveis. Dessa forma, no que se refere à manutenção da estrutura de funcionamento, incluindo a possibilidade de muitas demissões em seu quadro funcional.

“É necessário que o governo federal apresente dados consistentes, que possam avaliar os impactos sociais e financeiros da medida nas estruturaras vitais à manutenção do sistema ‘S'”, completou.

Ação

As entidades impetrantes da ação no TRF-1 alegaram que o corte de recursos do Sistema S viola a garantia constitucional. A saber, porque retira do mundo real o sistema sindical patronal de assistência e formação profissional dos empregados vinculados a determinadas categorias econômicas. Especialmente porque essas atividades estão expressamente previstos na Constituição.

“O ente estatal não pode, no desempenho de suas atribuições, impor atos normativos que possam prejudicar o alcance dos fins, que regem a prática de legislar. É necessário adequar as normas, ainda que em caráter emergencial, às finalidades contidas nos dispositivos constitucionais, o que representa o limite ao poder discricionário do administrador”, decidiu a magistrada.

Fechar Menu