Embraer precisa encontrar parceiros para competir globalmente

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Por conta das Finanças, Embraer precisa encontrar parceiros para competir globalmente. Da mesma forma que fez ao fazer o acerto com a Boeing. Assim, depois do fracasso com a empresa norte-americana, a brasileira está buscando novas parcerias.

Acontece que o mercado de aviação comercial é extremamente competitivo. A saber, a Embraer é a menor em faturamento líquido entre nomes de grande musculatura como Airbus, Boeing, Bombardier, Textron Aviation e General Dynamics.

“A Embraer tem tecnologia, mas não cacife financeiro para evoluir em um mercado com dois gigantes como Boeing e Airbus”, diz o professor de Finanças da Fundação Getulio Vargas (FGV) e consultor em criação de valor, Oscar Malvessi.

A informação é do jornal Valor Econômico, em matéria sob o título “Sozinha, Embraer perde fôlego em competição global”. O texto revela que “enquanto concorrência cresceu nos últimos 10 anos, brasileira viu seu faturamento pouco avançar”,

BNDES

No momento, a companhia está negociando um plano de resgate com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Contudo, outros bancos comerciais podem entrar no negócio que, ao final, deve render à Embraer cerca de R$ 1 bilhão.

De acordo com o Valor Econômico, a empresa aérea brasileira também já identificou mais R$ 1 bilhão em economias possíveis durante 2020. Além disso, em março passado conseguiu levantar R$ 600 milhões. Tudo isso para se juntar aos R$ 2,8 bilhões disponíveis em caixa no final do ano passado.

Ainda segundo o texto do Valor, também houve ajustes de produção e estoques e renegociação com fornecedores. Procurada, diz o jornal, a empresa “limitou-se a informar que ‘desde o término indevido do MTA pela Boeing, e dadas as condições atuais, estamos considerando e adotando medidas adicionais para preservar nossa liquidez e manter nossa sólida posição financeira’”.

Mais informações sobre o tema estão na reportagem referida do Valor Econômico, que pode ser acessada CLICANDO AQUI.

Fechar Menu