Brics e Banco Asiático podem disponibilizar US$ 4 bilhões para o Brasil

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Senado quer limitar juros de cartão de crédito e cheque especial. Mas, também suspender o pagamento de crédito consignado. Enfim, elevar a CSLL (Contribuição Social sobre o Lucro Líquido do setor financeiro de 20% para 50%.

Essas propostas fazem parte de um pacote de projetos que os senadores pretendem votar até o próximo dia 21. De acordo com a programação, são 14 projetos de lei com medidas para o combate à crise provocada pelo novo coronavírus.

A votação que se refere ao limite aos juros de cartão de crédito e cheque especial está pautada para esta terça-feira, 12. Conforme o texto, de autoria do senador Álvaro Dias (Podemos-PR), o Banco Central deve regulamentar e fiscalizar a medida.

Inadimplentes

Também nesta terça-feira, 12, os senadores votam projeto que proíbe inscrição de consumidores inadimplentes em cadastros negativos, durante a pandemia.  São exemplos o Serasa e o SPC.

Segundo informa a Agência Senado, a suspensão vale por 90 dias e apenas para casos de inadimplência registrados após 20 de março. Os autores do PL 675/2020 são os deputados Denis Bezerra (PSB-CE) e Vilson da Fetaemg (PSB-MG). Segundo eles, o objetivo é garantir que os atingidos pela pandemia permaneçam com acesso a crédito.

FIES

Os senadores podem votar ainda, hoje, o PL 1.079/2020, do deputado Denis Bezerra (PSB-CE). O texto suspende os pagamentos devidos pelos estudantes ao Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) durante a vigência da calamidade pública.

Irritação

Acontece, que há muita irritação dos senadores com o que consideram um represamento dos empréstimos pelos bancos. Dessa forma, os temas em pauta para votação ganharam o selo da consensualidade entre os parlamentares. A matéria foi veiculada nesta terça-feira, 12, pelo jornal Valor Econômico

“Está todo mundo de saco cheio do exagero dos bancos, da ganância deles neste momento. Há uma insatisfação generalizada”, disse o líder do PT, no Senado Federal, Rogério Carvalho (SE). 

“O que os bancos têm feito neste momento é fora do normal. Estão cobrando até taxas de assinatura de pequenas empresas para empréstimos que têm fundo garantidor”, acusou o senador oposicionista.

Fechar Menu